Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore
Brasão Governo do Estado do Rio Grande do Sul

Sarau com ritmo


Sarau na Casa de Cultura
Diretor técnico Claudio Knierim falou para o público presente

A emoção tomou conta dos participantes da homenagem ao folclorista Luiz Carlos Barbosa Lessa – cuja morte completou 10 anos no domingo (11/03) – ocorrida nesta quarta-feira (14/03), na Casa de Cultura Mário Quintana.

Cerca de 50 pessoas acompanharam o Sarau com Ritmo organizado pela Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore e a Sociedade Partenon Literário.

O tributo também marcou o início do projeto “Barbosa Lessa – um visionário” promovido pela fundação durante o ano de 2012. Segundo o seu diretor técnico, historiador Cláudio Knierim, durante o ano serão realizadas exposições sobre a vida e a obra do escritor em Porto Alegre, Piratini e Camaquã. “Também queremos aproveitar para lançar o nome de Nilza Lessa como patrona da próxima Semana Farroupilha”, sugeriu.

Apreciador da obra e amigo de Barbosa, o presidente do instituto, Rodi Pedro Borghetti, aproveitou o evento para contar algumas histórias interessantes que viveu ao seu lado. Além de salientar a contribuição à cultura do Rio Grande do Sul e o trabalho em diversas áreas, Borghetti elogiou o caráter de Lessa. “Ele foi um exemplo em tudo, possuía uma inteligência privilegiada e um verdadeiro visionário pelo alcance de sua memória e perspicácia”.

O Sarau com Ritmo contou com a participação da viúva e do filho de Barbosa Lessa, Nilza e Guilherme; diretora administrativa da FIGTF, Ana Froner; presidente da Sociedade Partenon Literário, Benedito Saldanha; músico Marco Araujo; repentista Daniel Brasil e do jornalista João Batista Marçal.

Atuação em várias áreas

Natural de Piratini, Barbosa Lessa exerceu muitas atividades. Foi advogado, folclorista, escritor, músico, compositor, publicitário, historiador e secretário de Cultura, desporto e Turismo. Também foi personagem importante no processo de construção da cultura gaúcha. Em 1948, aos 19 anos de idade, juntamente com um grupo de colegas, criou o Movimento Tradicionalista Gaúcho e o primeiro CTG da história. Dentre suas obras mais conhecidas destacam-se Rodeio dos Ventos, épico sobre a vida do povo gaúcho, e Os Guaxos, pelo qual recebeu prêmio da Academia Brasileira de Letras.

Além de se dedicar ao tradicionalismo, Lessa realizou pesquisas sobre a música regional. Em 1957, criou a toada Negrinho do Pastoreio, baseada na lenda do jovem escravo que é agrilhoado a um formigueiro. A canção foi interpretada por artistas como Inezita Barroso, Leopoldo Rassier e a dupla Kleiton e Kledir. Barbosa faleceu em 2002, aos 72 anos.

Rita Escobar

Assessoria de imprensa FIGTF

Fundação Instituto Gaúcho de Tradição e Folclore    |     Desenvolvido pela PROCERGS